segunda-feira, 11 de junho de 2012

Pretérito passado


Chegamos ao fim da linha, ou seja, ao limite do que consideramos a Fortaleza de feição antiga. Mas o prazer de falar sobre a história da cidade não acaba aqui. Decidimos criar um grupo no Facebook, o Fortaleza Antiga, com o objetivo de divulgar fotos que não utilizamos neste blog e, ao mesmo tempo, continuar contando um pouco mais da nossa história. Portanto, fica o convite para você também participar.

A primeira metade dos anos 70, por diversos fatores, representa o ponto de inflexão, a partir do qual, verificamos a metropolização de fato da capital cearense. Até aquele momento, ainda podíamos identificar inúmeros aspetos na sua geografia urbana e costumes que nos remetiam à Fortaleza provinciana dos anos 30 ao pós-guerra. É óbvio, contudo, que essa não é uma divisão estanque entre a nova e a velha cidade, uma vez que muitos projetos que definem essa modernidade foram construídos nas décadas anteriores, assim como elementos desse provincianismo ainda subsistiriam depois dos anos 70 até os dias de hoje.

Cartão postal no qual vemos uma panorâmica da cidade no início dos anos 70 

Foi durante os anos 70 que o crescimento da cidade, que contava com mais de um milhão de habitantes, tornou-se realmente visível. Principalmente em termos de malha urbana e de verticalização do espaço formal, Fortaleza fazia jus à condição de metrópole e assumia sua primazia absoluta sobre o território cearense, seja pelo avançado processo de expansão urbana, seja pela enorme concentração demográfica. Este fato deve-se ao papel que exerce Fortaleza na contração das principais atividades administrativas, comerciais, industriais, portuárias, sociais e culturais do Estado.

A área de influência de Fortaleza, segundo o estudo do IBGE de 1972, possuía 52 centros, abrangendo um território superior a 400 mil quilômetros quadrados, com uma população total de aproximadamente sete milhões de habitantes. Compreende, assim, a metade norte dos Estados do Maranhão, Piauí e todo o Estado do Ceará.

O recém inaugurado Terminal Rodoviário Engenheiro João Tomé

Fortaleza passa a valorizar o planejamento urbano, ainda que o processo, conduzido pela prefeitura, seja destituído de participação popular. Discute-se a transformação da cidade em metrópole regional e de sua área envoltória em região metropolitana. A verticalização sofre impulso na área leste (Aldeota), transformando este setor no de maior pujança imobiliária da cidade.

Segundo o professor José Borzacchiello da Silva, “A busca de novos espaços pela burguesia que residia nas imediações da área central implicou em alterações marcantes na cidade e na supervalorização de alguns bairros, como a Aldeota, Meireles, Praia de Iracema, Papicu, Bairro de Fátima e outros. A Aldeota é, sem dúvida, o bairro mais valorizado da cidade por ser o preferido da burguesia e da alta classe média. Por isso, conta com o melhor atendimento de infra-estrutura de serviços urbanos, comércio e outros equipamentos. Durante os anos 1970, no início do processo de verticalização fora da área central, pequenos edifícios de apartamentos foram construídos na Aldeota. A construção de edifícios luxuosos, com apartamentos grandes, substituindo as grandes residências, deu-se a partir de um outro momento”.

Praia do Futuro na década de 70

É nos anos 70 que começa o processo de especulação imobiliária da Praia do Futuro. Lá, no entanto, a proliferação de grandes prédios como ocorreu na avenida Beira Mar jamais se consumou. O problema foi a constatação dos altíssimos índices de maresia na faixa de litoral que vai da Praia do Farol à foz do Rio Cocó, o que favorecia a corrosão das edificações locais, assim como dos bens materiais dos que habitam essa parte do litoral, resultando na desvalorização dos imóveis.

“Nesse período, segundo a pesquisadora Maria Clélia Lustosa Costa, com a expansão do sistema viário para o leste, ocorreu um acelerado processo de especulação imobiliária abrindo-se novos loteamentos, sem nenhuma fiscalização do Poder Municipal e sem nenhuma infraestrutura, construindo-se residências de alto padrão em lotes de grandes testadas. Além dos problemas sociais provocados pela especulação imobiliária, o que expulsa a população de menor renda para periferias distantes, surgiram novos problemas decorrentes da degradação ambiental gerada por aterros de lagoas e riachos e pelo desmonte e dunas”.

Vista da Beira Mar a partir das dunas do Mucuripe

Aparentemente sensíveis à carência de espaços públicos livres, os governantes constroem uma série de parques urbanos, ainda hoje referenciais para a cidade.

Até a criação formal da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), em 8 de junho de 1973 compreendendo os municípios de Fortaleza, Caucaia, Maranguape, Pacatuba e Aquiraz, o crescimento da cidade é visto como contingência de um esforço local para fugir do atraso e se desenvolver. A partir daí, a capital cearense se insere no cenário nacional como um grande centro regional, ainda que seu status esteja muito aquém das grandes metrópoles como Rio de Janeiro e São Paulo.

Praça José de Alencar no início dos anos 70

A criação do Distrito Industrial de Fortaleza, localizado em Maracanaú, município desmembrado de Maranguape, deu-se a partir de 1964, mas só entrou em funcionamento na década de 1970. A ausência de infraestrutura básica, transporte, abastecimento entre outros, freava até certo ponto a fixação da população no seu entorno. Somente mais tarde foram criadas as condições necessárias a expansão urbana nas imediações do Distrito Industrial. A maior concentração de indústrias, entretanto, ainda está localizada na Zona Oeste da cidade de Fortaleza (área da Avenida Francisco Sá), onde se fixou maior percentual da população urbana, daí as maiores densidades.

Fortaleza ganha novos equipamentos urbanos como o Terminal Rodoviário Engenheiro João Tomé, o primeiro shopping Center, o Centro de Convenções, o Ginásio Paulo Sarasate e o Estádio Castelão, além de obras estruturantes como as avenidas Aguanhambi e Leste-Oeste. Mas todas essas obras não escondem o fato de que Fortaleza dividia-se em duas cidades, uma “leste-rica” e outra “oeste-pobre”. Já o Centro, esvaziado dos símbolos de poder, assiste ao início de seu declínio como área de efervescência cultural e comercial da cidade.

Avenida Aguanhambi logo após sua inauguração

Das 154 agências bancárias existentes no Estado, 51 estavam em Fortaleza, sendo 3 matrizes de bancos oficiais, e nada menos de 5 matrizes de bancos privados. A movimentação bancária estava concentrada em Fortaleza, onde se realizava a quase totalidade das operações de compensação de cheques (98% em 1975). A capital cearense também concentrava os meios de comunicação. Eram três canais de televisão, oito emissoras de rádio, sendo duas FM, e cindo jornais diários. Esse elevado grau de concentração agravava ainda mais as disparidades econômico-sociais em relação às demais áreas do Estado.

O aparato do governo estadual aloja-se em centro administrativo no bairro Cambeba. Novos equipamentos urbanos constroem-se ao longo de avenidas e anéis viários, prenunciando a ampliação da malha urbana e a polinucleação da cidade.

Vista da rua Guilherme Rocha a partir do cruzamento com a rua Major facundo

Uma nova rede de comércio diversificada começa a surgir nos bairros, o que torna o Centro da cidade muito menos atrativo. Foi, no caso de Fortaleza, a concentração inicial de residências nos bairros da Aldeota e do Montese que criou condições para a consolidação de uma infraestrutura de comércio e serviços voltada, em parte, para o atendimento da demanda de seus moradores. É a possibilidade de atendimento de suas necessidades materiais e imateriais fora do Centro de Fortaleza o motivo do abandono dessa área pelos segmentos das classes de maior poder aquisitivo da sociedade, tornando-se seus "novos usuários", basicamente, a população de baixa renda.

Pessoal do Ceará

No final dos anos 60, em tempos de ditadura e repressão, um grupo de artistas frequentava eventos culturais na Faculdade de Arquitetura da UFC e se encontrava regularmente no Bar do Anísio, na avenida Beira-Mar, em frente à praia do Mucuripe. Lá, quase todas as noites, até o dia amanhecer, eles produziam música, poesia, teatro, compartilhando sonhos e canções.

Estavam ali os pioneiros Augusto Pontes, Petrúcio Maia, Rodger Rogério, Fausto Nilo, Belchior, Ednardo, Fagner, Brandão, Teti, Yeda Estergilda, Gilmar de Carvalho, Ricardo Bezerra, Alba Paiva, Marli Vasconcelos, Tânia Araújo, Xica, Olga Paiva, Pepe, Cirino, Amelinha, Jorge Mello, Antônio Carlos, Cláudio Pereira, Sérgio Pinheiro, Wilson Ibiapina, Guto Benevides, Mino, e muitos outros de uma turma boa de mais de 80 nomes, atuando nas diversas formas de expressões artísticas.

Ednardo e seu fusca a caminho do Rio de Janeiro em 1972

No início dos anos 70 muitos deles deixaram o Ceará com destino ao Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília. Tudo o que pretendiam era mostrar sua música e conquistar um lugar ao sol. Ednardo, Fagner e Belchior, os principais compositores do grupo, começavam a trilhar o caminho que os levaria ao sucesso nas terras do sul. Surgiu assim, o grupo que é denominado na história de nossa canção popular, como "Pessoal do Ceará".

O marco inicial da produção desse grupo foi “Meu corpo minha embalagem todo gasto na viagem - Pessoal do Ceará”, disco produzido pela gravadora Continental em 1973, contendo canções interpretadas por Ednardo, Rodger Rogério e Teti, artistas pouco conhecidos, mas que a partir daí, laçaram para o Brasil, a música e os compositores cearenses.

Ednardo, Teti e Rodger Rogério no lançamento do disco "Pessoal do Ceará", no Teatro da TV Record, São Paulo, em 1973

Na condição de líder do grupo, foi o compositor e cantor Ednardo quem melhor traduziu seu amor à Fortaleza. Segundo Pedro Rogério, ''’Terral’ e ‘Beira-Mar’ - ambas composições de Ednardo - duas das músicas que se destacaram no disco-marco Pessoal do Ceará, são verdadeiros hinos, composições de um assumido apaixonado que, como um filho que precisa provar a sinceridade de seus sentimentos, declara seu amor à cidade-mãe ao mesmo tempo em que, sentindo que já está maduro o bastante, deixa-se seduzir por outras mulheres, outras cidades, sem jamais se desvincular do útero materno”.

No ceará, essa geração de artistas, músicos, compositores e cantores, passados mais de 40 anos de seu surgimento, ainda não foi superada, seja na qualidade ou quantidade de sua produção intelectual.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Anos de chumbo

.
O crescimento populacional de Fortaleza continua expressivo por conta do processo migratório. O contingente de migrantes se aglomerava nos subúrbios junto às comunidades locais mais pobres, com limitadas possibilidades de sobrevivência e ocupações precárias. Em 1960 a cidade contava com 450 mil habitantes.

Fortaleza absorvia as migrações que chegavam dos mais variados pontos do Interior, levas populacionais que fugiam da seca e se acomodavam na periferia da Capital, semeando algumas favelas que temos hoje. Entre as décadas de 50 e 60, a população cresceu 66%, chegando a 514.818 moradores.

Vista aérea do Centro de Fortaleza nos anos 60

O sistema de transporte público ainda era extremamente precário por conta da baixa taxa de renovação da frota, do crescimento populacional e, por consequência, da demanda de localidades cada vez mais numerosas e distantes. Em 1960 havia 403 ônibus circulando em 87 linhas.

Em 1967 foi introduzido em Fortaleza o sistema de ônibus elétricos. Apenas nove ônibus faziam parte da frota que circulava nas linhas da Parangaba e Bezerra de Menezes. A experiência, contudo, não se desenvolveu e os ônibus elétricos saíram de circulação em 1972.

As Praças José de Alencar e da Estação passaram a funcionar como os primeiros grandes terminais de ônibus da cidade. Essa transformação marcaria, no caso da Praça José de Alencar, o fim de um espaço privilegiado que o Centro de Fortaleza dispunha até então, uma vez que o intenso tráfego de ônibus maltratava o patrimônio histórico local – como o Teatro José de Alencar e a Igreja do Patrocínio –, desvalorizando imóveis a abrindo espaço para ocupação irregular da Praça.

Praça José de Alencar quando era o principal terminal de ônibus da cidade

Outro grave problema continuava sendo o abastecimento de água. Além do parco atendimento, limitado à área central e imediações, a água salobra levava os moradores, que não dispunham de recursos para construir cisternas, a recorrer às carroças d’água que percorriam os bairros, vendendo água de melhor qualidade.

A trecho da orla marítima hoje chamada de Praia do Meireles era, até o início da década de 1960, um local com algumas casas de veraneio, muitas casas de pescadores e vários estabelecimentos que exploravam o lenocínio e a prostituição. A construção da Avenida Beira Mar pelo prefeito Cordeiro Neto, no início dos anos 60, expulsaria os pescadores para o alto das dunas e para a Rua Manoel Jesuíno, na Varjota, e a zona de prostituição para a área do Farol do Mucuripe (Serviluz). A partir de então, a especulação imobiliária descobre a Beira Mar.

Praia dos Diários na segunda metade dos anos 60

Foi somente a partir da segunda metade dos anos sessenta que o litoral leste de Fortaleza, mais especificamente a Avenida Beira-Mar, iniciou um processo meteórico de valorização imobiliária que culminaria na sua completa ocupação com os modernos prédios que hoje desenham a silhueta da cidade desde a Praia de Iracema até o Mucuripe.

Na administração do general Murillo Borges, a Avenida Bezerra de Menezes passou por grande modificação, assumindo uma feição mais ampla e moderna, apesar da retirada das árvores que existiam na parte central da avenida, formando canteiros e alamedas que a dividiam em duas ao longo toda sua extensão.

Avenida Bezerra de Menezes logo após sua inauguração

“A inauguração teve a singularidade de congraçamento dos moradores e de todos que percorriam aquela avenida, unindo-se a um só, numa quilométrica mesa posta pelos moradores da avenida que promoveram um grande banquete, em que cada um expunha suas iguarias, guloseimas e acepipes dos mais variados tipos”. (Zenilo Almada)

Em 1º de abril de 1964 o Brasil acorda sob a ditadura militar implantada por um golpe conta o governo democrático de João Goulart. Segundo o pesquisador Nirez, “em Fortaleza casas são invadidas, pessoas são presas por qualquer suspeita, políticos são cassados e presos, bibliotecas são confiscadas, o policiamento nas ruas passa a ser feito pelo Exército, e outros desmandos”.

Colégio Militar em registro de 1960

A energia da Usina Hidrelétrica de Paulo Afonso só chegaria a Fortaleza em fevereiro de 1965. O pesquisador Nirez relata que o evento ocorreu “na Praça dos Libertadores, no Otávio Bonfim, com a presença do presidente da República, general Humberto de Alencar Castelo Branco. Desde 1912 a capital era servida pela luz e força da Light, companhia inglesa que explorou o bonde, ônibus, além da luz e força, sempre com precariedade. A empresa foi municipalizada, transformou-se em Serviluz, Conefor e finalmente Coelce”.

Em 1967, na administração José Walter Cavalcante, foi iniciada a construção da nova Praça do Ferreira, que agora seria maior, pois até então seu comprimento ia da Rua Pedro Borges até a Guilherme Rocha e agora iria até a antiga Rua Pará. O problema é que essa reforma descaracterizou completamente a Praça, elevando, em toda sua extensão, enormes estruturas de alvenaria e concreto como canteiros suspensos, que impediam o livre trânsito das pessoas e deixavam a Praça com uma aparência sombria.

Praça do Ferreira em 1969, após a reforma

“Nos anos de 1960, os estudantes universitários movimentavam o cotidiano da cidade com um evento de grande envergadura que culminava com significativa concentração de pessoas na Praça do Ferreira: a passeata dos bichos. Em meio às festividades e “exibição” dos recém-ingressos na universidade, inúmeros adereços eram acrescentados a fim de multiplicar os efeitos da impressão junto ao público: blocos de estudantes organizados por curso com a presença das rainhas, carros enfeitados para dar um tom humorístico, cartazes de protestos indicando uma apropriação dos festejos como espaço de reivindicação e projeção de utopias. As sátiras e músicas carnavalescas conferiam novas tonalidades às vias públicas, atraindo milhares de pessoas que buscavam lugar entre uma calçada e outra para apreciar o espetáculo proporcionado pelos estudantes”. (Vânia L. S. Lopes)

É possível que a reforma da Praça tenha se constituído num instrumento eficaz para pôr fim a estas mobilizações que faziam parte de uma experiência encarnada na força de uma tradição. A última passeata ocorreu em junho de 1968, ou seja, no período de radicalização do autoritarismo,ano em que entrou em vigor o AI-5.

O advento da televisão

Em 1960 foi descarregado no porto do Mucuripe o material da torre de televisão a ser instalada em Fortaleza. Uma noticia veiculada pelo jornal Correio do Ceará, pertencente ao mesmo grupo empresarial, informava que o material era procedente da Inglaterra e pesava 30 toneladas. Adiantava que a torre seria instalada sobre uma base de 90 metros de altura, que juntamente com a antena de 18 metros, perfazia um total de 108 metros de altura.

O indiozinho éra a principal característica na abertura diárias da programação da TV Ceará

A primeira estação de televisão do Estado, a TV Ceará Canal 2, entrou no ar em 24 de novembro de 1960. Nessa época, Fortaleza tinha cerca de 500 mil habitantes e apenas 200 televisores. Foi instalada no bairro Estância Castelo (atual Dionísio Torres), no local onde hoje funciona a holding do Grupo Edson Queiróz na Avenida Antonio Sales.

A televisão chegou à Capital do Ceará 10 anos depois da inauguração da primeira emissora do País - a TV Tupi Canal 3, que iniciou suas atividades no dia 18 de setembro de 1950, em São Paulo, constituindo-se na primeira estação de televisão da América do Sul.

Pelo menos nos primeiros anos, a televisão não teve grande impacto no cotidiano de Fortaleza, nem ocupou a mesma posição do rádio, porque o aparelho de TV era considerado um artigo de luxo. Somente a elite econômica tinha acesso porque o preço era muito alto, pouco menos que o valor de um carro. "O preço de um televisor era três vezes maior que o da mais sofisticada radiola da época... Além disso, não existia nenhuma indústria de componentes para os televisores no País, até mesmo válvulas eram importadas dos Estados Unidos. Pelo ano de 1965, um televisor portátil era vendido por aproximadamente 200 dólares", diz o professor baiano Sérgio Mattos.

Entrega dos prêmios aos vencedores de uma gincana do programa TV Juventude, que era apresentado aos sábados na TV Ceará Canal 2

Quando foi inaugurada em Fortaleza, eram poucos aparelhos espalhados pela cidade, fato que contribuiu para o surgimento de figuras que se tornaram muito comuns: os televizinhos, que formavam verdadeiras plateias em torno da TV.

Na Fortaleza dos anos sessenta as pessoas tinham o hábito de sentar na calçada, o rádio ligado. As rodas de cadeiras na calçada às vezes se desfaziam durante uma novela ou um programa, mas logo se recompunham.

A programação era ao vivo, gerada com talento local: cantores, atores, escritores e diretores, técnicos. O Diretor de Programação Péricles Leal veio do Rio trazendo uma programação mais ou menos nos moldes das TVs de São Paulo e do Rio de Janeiro: teatro de romance, videorama, contador de histórias e aos domingos, um show musical e mais os programas TV de mistério e TV de comédia.

Operador de câmara da TV Ceará no anos 60

O cearense Emiliano Queiroz, um dos pioneiros na TV, conta que todos eram polivalentes; que ele, em uma semana, fazia cinco ou seis personagens, escrevia os comerciais ao vivo, fazia contato com clientes, ensaiava e levava ao ar, realizava sorteios de carnês das lojas Romcy Magazine e era também apresentador.

Com o advento do vídeo-tape, mudou o modo de se fazer televisão no Brasil. O avanço tecnológico possibilitou a gravação dos programas, permitiu a correção dos erros e o estabelecimento de horários dos programas, mas, em compensação, decretou o fim da programação ao vivo.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Crescimento, euforia e caos

.
À medida que Fortaleza crescia em espaço físico e demográfico – eram 240.000 habitantes em 1952 – não havia por parte dos poderes públicos, planejamento para que a cidade e seus moradores acompanhassem o desenvolvimento.

Mesmo nas áreas consideradas nobres da cidade, não havia infraestrutura urbana adequada e todos os serviços (transporte, água, recolhimento de lixo) eram insuficientes. E na periferia não poderia ser melhor. Além da inexistência de serviços básicos, não havia farmácias, lojas ou mercados e nem telefone público. Até a década de 1950, se formaram as favelas Pirambu, Mucuripe, Cercado do Zé Padre, Lagamar, Morro do Ouro, Varjota, Meireles, Papoquinho e Estrada do Ferro. A população carente também ocupava o Morro do Moinho, o bairro do Seminário, do São João do Tauape, o do Alto da Balança e Cajazeiras.

Vista aérea de Fortaleza em 1956

A periferização da cidade na forma de núcleos de favelas é a mais contundente prova de que a «bela e moderna capital» não era suficiente para todos, ou não possuía condições de abrigar tantos cearenses.

Nessa época a Aldeota, antigo Outeiro, consolidava-se como um bairro tipicamente residencial, com ruas largas, belos casarões e sobrados. Os terrenos eram enormes, davam para construir a casa, e sobrava espaço para o jardim, o quintal, o pomar. O bairro foi formado a partir da Avenida Santos Dumont. Mas passou a representar o bairro predileto da elite a partir da década de 1950.

Registro parcial da Praça do Ferreira durante os anos 50

Os bondes elétricos já haviam deixado de circular em 1947 devido aos altos custos e à deficiência do serviço à população. Os trilhos foram arrancados e vendidos para sucatas, enquanto os veículos eram abandonados e se deterioravam. O ônibus coletivo se tornou, em 1950, o principal meio de transporte do fortalezense, ainda que em funcionamento precário, pois eram mal conservados e poucos para atender a população. Nessa mesma época, também são instalados os primeiros sinais luminosos no centro da cidade, a prefeitura compra um gerador de 5.000 kW para reforçar a iluminação.

O fornecimento de água também era insuficiente. Basta citar o fato que de um total de 48.894 prédios urbanos, em 1959, apenas 9.321 dispunham de água canalizada, restando 39.573 dependentes do abastecimento domiciliar.

Nesse período estava sendo construído o açude de Orós, considerado o maior do mundo.

Vista aérea do Parque da Liberdade em 1954

A seca era mais um agravante que, intermitentemente, dificultava a vida na cidade. Mesmo sem muitos vínculos diretos com a agricultura, Fortaleza sentia os dramáticos efeitos das secas, uma vez que se tornava o principal destino dos sertanejos expulsos da zona rural. A cidade os acolhia muito mal, sem a estrutura necessária para recebê-los. Foi assim durante os dois grandes flagelos de 1951 e 1958. Em 1955, 2.773 cearenses haviam emigrado, dos quais, apenas 372 voltaram ao interior do Estado. E, nos primeiros meses de 1956, 1.559 emigrantes partiram por via marítima, 249 para o Sul e o restante para o Norte.

Apesar disso, a década de 50 registra uma redução no fluxo migratório para Fortaleza, que foi politicamente desviado pela migração inter-regional. Os migrantes fizeram parte de 17% da população total residente, sobretudo corresponderam a metade do incremento populacional do período 1940/50 e um quarto da População Economicamente Ativa de 1950.

"Apesar de ser uma cidade litorânea, Fortaleza nasceu e se desenvolveu de costas para o mar, pois tinha seus interesses voltados para o sertão. O banho de mar só surgiu no final da década de 1950, através dos clubes construídos na praia, como o Náutico, e o Ideal".

Foto dos anos 50 na qual temos, em primeiro plano, a Volta da Jurema e, à direira, toda a extensão da Beira-Mar

O povo dançava ao som do momento: o baião de Luiz Gonzaga. Em Fortaleza a festa de adultos era tradicional no Clube Maguary e os meninos se divertiam no Parque Americano, o primeiro parque de diversões permanente do estado. A diversão das elites baseava-se nas festas dos clubes sociais e cinemas. Depois de assistir aos filmes, os rapazes tinham como opção os cafés da Praça do Ferreira, nos quais, era proibida a entrada de mulheres.

Registro da inauguração da sede do Clube Náutico Atlético Cearense no anos 50

"Só restava, para encompridar a hora de recolher-se à casa, o recurso dos longos papos às mesas de cafés, que os havia, as dezenas, à roda e nas proximidades da Praça do Ferreira. Nesses cafés de frequência variada, lá estavam os pequenos rádio-receptores, todos em mogno, geralmente com as caixas em forma ogival, em cantoeiras no geral de mármore ao alcance apenas da sintonia do proprietário, na transmissão de vozes, então máximo, de Vicente Celestino, Sílvio Vieira, Augusto Calheiros, Alberto Perroni, Fomendi: valsas, canções, cançonetas, foxes bem marcadas, sambas de Noel e choros de Pixinguinha e Benedito Lacerda". (Eduardo Campos)

A seleção de futebol ganhou em 1958 a sua primeira Copa do Mundo. Começavam a ser fabricados no país os primeiros automóveis. Inicialmente o Jeep Willys em 1952, o Fusca em 1953 e depois a Rural-Willys e Kombi em 1957. Parecia que tudo estava indo muito bem.

Rua Senador Pompeu que, nos anos 50, já estava devidamente pavimentada

A frota de carros particulares em Fortaleza começava a aumentar e, em 1951, foram instalados os primeiros sinais luminosos para controlar o tráfego no centro da cidade. Mas as bicicletas eram muito utilizadas. Boa parte delas eram importadas. Uma das mais famosas era da marca chamada Sears Roebuck. Por isso o desfile de ciclista era fundamental nas paradas de 7 de Setembro.

A autoestima dos brasileiros atingia níveis nunca antes conhecidos nos anos 50. Getúlio Vargas já havia instalado importantes indústrias de base (siderúrgicas) e agora o Presidente Juscelino Kubitschek estava construindo uma nova capital para o país. Nesta época a capital do Brasil ainda era a cidade do Rio de Janeiro.

Ainda não havia televisão no Ceará e o rádio tinha se transformado, desde a década passada, na principal distração em casa. Passava novelas, noticiários, músicas e programas humorísticos. A principal rádio do Ceará continuava sendo a PRE-9.

Foto dos anos 50, onde vemos o terreno no qual seria construída a Praça da Imprensa

A universidade nasceu como resultado de um amplo movimento de opinião pública que teve início no ano de 1949. O principal interlocutor deste movimento foi Antônio Martins Filho, intelectual que veio a se tornar o primeiro reitor da então recém-criada Universidade do Ceará. Foi criada por Lei de dezembro de 1954 e instalada numa sessão no dia 25 de junho de 1955. Sua implantação deveu-se da união de várias instituições de ensino superior então existentes na cidade de Fortaleza: Escola de Agronomia do Ceará, Faculdade de Direito do Ceará, Faculdade de Medicina do Ceará e Faculdade de Farmácia e Odontologia do Ceará.

A década do rádio cearense

Quando do seu início o rádio, na falta de uma linguagem própria, utilizava-se da literatura mundial e fazia encenação de clássicos de renome – instalava-se no novo meio o radioteatro – percussor da radionovela, gênero que se desenvolve e atinge um crescimento extraordinário em todo país devido à grande audiência alcançada. Gêneros, que foram mais significativos nas rádios que os adotaram como marca.

Famoso prédio da Rádio Uirapuru ainda existente na esquina das ruas Clarindo de Queiroz com General Sampaio, onde, totalmente modificado, funciona a sede do Diretório Central dos Estudantes da UFC

Foi o caso da Rádio Uirapuru, inaugurada em 1956, tinha como principal proposta manter uma programação moderna e diversificada, voltada para a informação e prestação de serviços. A próxima emissora seria a Rádio Verdes Mares, fundada em 1957 e pertencente ao grupo Diários Associados dava mais ênfase à informação, mas permeado por discurso político. A rádio Dragão do Mar foi a última da “Década de Ouro”, fundada em 1958, também começou com objetivos políticos.

Essa época de ouro do rádio cearense também é caracterizada pelo grande número de emissoras que se instalaram em Fortaleza e no Estado durante toda a década, cada uma com seus estilos e peculiaridades. Mas, o mesmo período também é marcado por uma série de improvisações e de experimentação na área da programação que ainda buscava sua estrutura definitiva.

Radialista Aderson Braz entrevista Juscelino Kubistchek juntamente com o deputado Paulo Sarasate para inauguração do Açude Orós

Sempre em busca de melhores condições para vencer a concorrência que se levantava e atender melhor ao público, a Ceará Rádio Clube se mudou para o Edifício Pajeú, na Rua Sena Madureira, dispondo de um auditório com capacidade para 500 pessoas, muitas vezes insuficiente para receber multidões que queriam aplaudir os grandes cartazes.

Mas foi, principalmente, o advento da radionovela cearense que marcou o início da concorrência entre as emissoras locais, em 1948, com a inauguração da Rádio Iracema de Fortaleza, a segunda emissora cearense depois de 14 anos de Pre-9. Embora as emissoras cearenses mantivessem um cast exclusivo, as novelas de maior sucesso eram escritas fora do Estado, vinham de outras rádios do país para serem montadas em Fortaleza.

Sede da Rádio Iracema (prédio de colunas) que, nos anos 50, situava-se na Praça José de Alencar

Dessa forma, a década de 1950 se constituiu na “Era de Ouro” do rádio local, tendo as radionovelas grande influência no crescimento do interesse pelo veículo e, consequentemente, o aumento do público ouvinte.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

O despertar da metrópole

.
Fortaleza chega aos anos 40 com uma população de 180.000 habitantes. Durante a década a cidade registrou uma taxa de crescimento demográfico de 50%, marca superior a de Salvador.

Nesse período evidencia-se cada vez mais a expansão urbana do eixo sudoeste, como também da área loteada no sentido leste. Esta ocupação intensiva para o sudoeste se deve à localização da zona industrial, que funciona como um polo de atração para um grande contingente de migrantes do interior do Estado, gerando como consequência, o surgimento das favelas de Fortaleza, além do crescimento de núcleos antigos, como a favela do Pirambu.

Vista aérea parcial da cidade, onde podemos ver, além da região central com seus prédios, a Aldeota pouco habitada e, na parte superior da foto, a praia do futuro

A estrutura da localização residencial e industrial em Fortaleza fez deslocar para oeste as indústrias, pois além da relação distância/moradia/trabalho, a via férrea - e as próprias fábricas - desvalorizavam os terrenos do entorno, “permitindo-se” o acesso habitacional aos trabalhadores e classe de baixa renda. As elites, por sua vez, começavam a se transferir para a zona leste da cidade, mais precisamente a Aldeota.

Ao mesmo tempo, era crescente o interesse das classes abastadas pelos espaços à beira-mar, onde se edificavam casas de luxo e mansões a partir da Praia do Peixe, atual Iracema. Essa ocupação sistemática seria responsável, nas décadas seguintes, pela transformação radical do litoral leste da cidade da cidade, até então ocupada por inúmeras colônias de pescadores.

Foto do litoral leste da cidade, onde futuramente seria construída a Avenida Beira-Mar

Os bairros em Fortaleza nunca foram bem definidos, não se sabendo onde iniciam nem até onde vão. Além desse fato, vários bairros mudavam de nome, o que ajudava a confundir mais ainda.

Segundo o pesquisador Marciano Lopes, "a Parangaba era Arronches, Pirocaia era o nome do atual Montese, Carlito Pamplona era Brasil Oiticica, Açude João Lopes era como se chamava o atual Morro do Ouro. São Gerardo era Alagadiço, Antônio Bezerra era Barro Vermelho, a Praia de Iracema era Praia do Peixe. Aldeota era Outeiro e, também Aldeiota. Dionísio Torres era Estância, Castelão era Mata Galinha e Parquelândia ocupa a área que antes era do Campo do Pio e do Coqueirinho. Alto da Balança era o nome original da atual Aerolândia e o Lagamar agora é Tancredo Neves. Caso peculiar: o antigo Otávio Bonfim teve o nome trocado para Farias Brito, porém ninguém aceitou a mudança e o bairro continua a ser conhecido como Otávio Bonfim. Prainha é o nome correto da área antiga onde agora está o Centro Dragão do Mar e que o povo, por falta de informação chama Praia de Iracema. Incorreto: a Praia de Iracema é mais adiante. A parte alta daquele pequeno bairro, onde está a Praça Cristo Redentor era o Outeiro da Prainha. Cercado do Zé Padre é aquele conglomerado, arremedo de favela, entre as avenidas Duque de Caxias e Bezerra de Menezes, logo após a Praça São Sebastião. Parque Americano era uma pequena área entre a Rua Padre Valdevino e o bairro da Piedade. O nome surgiu devido a existência ali, de um parque de diversões, instalado pelo dono do famoso Bar Americano. Marcou época mas hoje só existe na memória dos mais velhos".

Prédio da Casa Plácido, do comerciante Plácido de Carvalho, era loja de produtos importados situada na Praça do Ferreira

De acordo com o testemunho de Marciano Lopes, "as lojas mais chiques estavam na Praça do Ferreira, como a Sloper, uma rede de lojas chiquérrimas nos moldes das lojas de Paris. Vendia vestidos, chapéus, sapatos, bijuterias finíssimas... Todo o comércio era no Centro. Não se encontrava nenhuma agência bancária fora dele, nem lojas. Nos bairros tinham um pequeno armarinho para abastecer costureiras de botão de fita, de elástico... E tinham as padarias e as bodegas, mas as mercearias de luxo eram no Centro. As famílias mandavam o chofer levar a lista aquelas mercearias chiques, a Joana d’Arc, Casa Tupi, Miscelânea Casa Santa Clara, Casa Tabajara. Elas despachavam com artigos finos, vinhos franceses e alemães e mandava entregar em casa".

São também desse período as primeiras tentativas de induzir a verticalização da área comercial. A cidade então já conhecia, desde a década de 30, as novas técnicas construtivas. O concreto armado começava a sobrepor-se às paredes de alvenaria e os engenheiros dominavam o padrão arquitetônico e construtivo. Foi no centro, no entanto, que se verificou com mais intensidade a materialização desse processo. São exemplos das novas técnicas os edifícios Oriente e Atlântico na esquina da Rua Major Facundo com Castro Silva. Estas edificações da área central persistem sendo uma expressão da arquitetura moderna.

Imagem panorâmica do centro de Fortaleza no início dos anos 40

As primeiras obras de destaque da verticalização das construções ficaram reservadas, em geral, para o uso comercial no centro da cidade. Essa tendência podia ser notada em prédios como os Correios e Telégrafos em 1934 (com 3 pavimentos), Edifício Parente em 1936 (com 5 pavimentos), Edifício Carneiro em 1938 (com 5 pavimentos), Cine Diogo em 1940 (com 9 pavimentos), Edifício Prudência em 1947 (com 7 pavimentos).

No âmbito cultural, os anos 40 são uma espécie de divisor de águas entre a Fortaleza provinciana das décadas anteriores e a grande metrópole na qual a cidade se tornaria.

Praça do Ferreira mostrando em destaque a Coluna da Hora e, parcialmente, o Cine São Luiz ainda em construção

Em 1942, os visitantes Domingos Laurito e Nelson Silveira Martins, registraram em Terra do Brasil suas impressões sobre a cidade: "Fortaleza dá uma impressão magnífica. Vista no conjunto é a mais linda cidade do norte. É uma cidade nova, parecendo que acabou de ser construída. Em pleno centro ergue-se a Coluna da Hora, na Praça do Ferreira, nas imediações da qual estão os principais estabelecimentos comerciais, cafés, bares, os cinemas Moderno, Majestic e Politeama em em construção o lindíssimo São Luiz. Em todo o Norte, depois do Rio, não existem cinemas iguais aos de Fortaleza".

A inauguração das ondas curtas acelerou sobremaneira o desenvolvimento do rádio, causando naturalmente um impacto social no contexto histórico em que se expandiu.

No dia 29 de agosto de 1941, a Ceará Rádio Clube iniciou às transmissões em ondas curtas e inaugurou seus novos estúdios. A emissora assumiria, a partir de então, a posição de veículo de comunicação de massa, tornando-se referência cultural na cidade durante anos.

Sede da antiga Ceará Rádio Clube na avenida João Pessoa, no bairro Damas

Segundo Eduardo Campos, “o entretenimento esteve presente na cerimônia de inauguração das novas instalações da Ceará Rádio Clube, naquele ano de 1941. A programação musical foi iniciada pelo maestro italiano, recém-contratado pela PRE-9, Hercules Vareto. Na sequência, no auditório da emissora, sucederam-se várias apresentações de artistas locais e nacionais, destacando-se o grupo “4 Azes e 1 Coringa” e “o Cantor das Multidões”, Orlando Silva, a grande atração do evento. “A cidade parou para receber a grande voz romântica do cancioneiro nacional, cantor que disputava as preferências do público juntamente com Francisco Alves, ‘o rei da voz’, que antes visitara o Ceará”.

Eram os tempos da Segunda Guerra Mundial e, Getulio Vargas, depois de enormes pressões para assumir posição junto aos aliados, declarou guerra à Alemanha em 1942. Não se via há muito tempo uma euforia tão grande no povo do Ceará em participar de uma guerra. A população estava revoltada com a covardia dos ataques aos navios brasileiros. Os estudantes da Faculdade de Direito organizavam passeatas que carreavam multidões. Em 1943 um novo torpedeamento de navios levou os estudantes à loucura. Saíram em passeata e queimaram as Lojas Pernambucanas de propriedade de alemães e depois a loja De Francesco de propriedade de italianos.

Parque da Liberdade com vista para a Igreja do Sagrado Coração de Jesus

Fortaleza passou por blecautes e pelo medo de ser atacada por submarinos alemães. O governo brasileiro cedeu bases no Nordeste para operações do Exército e a Aeronáutica Norte-Americana. Uma destas bases foi instalada em Fortaleza no atual bairro do Pici. Sob uma forte propaganda governamental de migração, cerca de 30 mil cearenses tornaram-se Soldados da Borracha, produzindo esse produto na Amazônia para abastecer os exércitos aliados.

Na década de 1940 começou a construção do porto na enseada do Mucuripe. Para isto, foi necessária a construção de vários enrocamentos que provocaram alterações em parte do litoral cearense, surgindo aí à praia Mansa. Em 25 de dezembro de 1947, foi inaugurado o Porto do Mucuripe, passando a ser feito ali todo o serviço de embarque e desembarque de passageiros e o transporte de cargas nacionais, antes realizado na Ponte Metálica.

Porto de Fortaleza nos anos 40, mais conhecido como Ponte Metálica

Fortaleza abandonaria de vez os últimos costumes da sua “fase francesa” e passaria a ver nos Estados Unidos o novo modelo a ser seguido. Sai o champanhe e entra a coca-cola. A fama do refrigerante era tanta que as moças que namoravam os soldados e oficiais americanos eram apelidadas de "coca-colas". Estima-se que entre os anos de 1943 e 1946, cerca de 50 mil americanos passaram por Fortaleza.

“Os anos 40 marcam uma mudança na orientação dos modelos estrangeiros entre nós. Os padrões Europeus vão ceder lugar aos valores americanos, transmitidos pela publicidade, cinema e pelos livros em língua inglesa que começam a superar em número as publicações de origem francesa (...) Os padrões de orientação vigentes são, portanto, os do mundo do star system e do american broadcasting. No rádio, este é o período em que a música americana se expande, e se consolida uma forma de tocar “boa música”, a orquestral, que se constitui tendo por modelo os conjuntos americanos”. (Renato Ortiz)

Aventura e coragem

Quatro pescadores cearenses se lançaram ao mar para uma viagem que entrou para a história. Manoel Olímpio Meira (Jacaré), Raimundo Correia Lima (Tatá), Manuel Pereira da Silva (Mané Preto) e Jerônimo André de Souza (Mestre Jerônimo), que a bordo de uma jangada singraram os 2.381 km que separam Fortaleza do Rio de Janeiro, sem bússola ou carta náutica.

Partiram da antiga Praia do Peixe (hoje, Iracema), em 14 de setembro de 1941, e chegaram ao seu destino dois meses depois.

Antiga Praia do Peixe onde começou a jornada dos jangadeiros cearenses (foto de 1946)

Os jangadeiros queriam chamar a atenção do País e do governo para o estado de abandono em que viviam os 35 mil pescadores do Ceará. Morando em toscas palhoças, nem do Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Marítimos eles recebiam ajuda. O presidente da República precisava saber daquilo. Ficou sabendo.

Em 16 de novembro, Getulio Vargas recebeu os quatro jangadeiros, que pouco antes haviam sido acolhidos apoteoticamente pela população carioca e conduzidos em carro aberto até o Palácio do Catete.

Jacaré, Tatá, Mané Preto e Mestre Jerônimo em foto de 1942

O retorno a Fortaleza, em 1º de dezembro, após sete horas de voo, foi uma apoteose ainda maior que a do Rio. Um cortejo de 150 automóveis seguiu os heróis da terra do aeródromo do Alto da Balança ao Jangada Clube, na Praia de Iracema, onde foram recebidos, entre outros, pelo interventor Menezes Pimentel.

A odisseia da São Pedro, contudo, estava condenada a entrar para a história do cinema americano. Orson Welles tomou conhecimento da proeza de Jacaré & Cia, e decidiu realizar, com base nessa história, o segundo episódio brasileiro de It's All True, o filme pan-americano que o governo Roosevelt há pouco lhe encomendara.

O líder dos jangadeiros Manoel Olímpio Meira (Jacaré)

Dois meses mais tarde, Jacaré e seus três companheiros foram levados de avião até o Rio. Rodariam no aeroporto a despedida do Rio e reconstituiriam, numa praia da Barra da Tijuca, a triunfal chegada da jangada São Pedro à Baía de Guanabara. Várias tomadas da chegada ao Rio chegaram a ser feitas, no dia 19, mas uma manobra infeliz da lancha que rebocava a jangada a teria virado, jogando ao mar agitado os seus quatro tripulantes. Três se salvaram. O corpo de Jacaré desapareceu e nunca foi encontrado.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

A distinção Leste-Oeste

.
A década de 30 corresponde ao início de uma fase dinamizadora da economia, calcada na industrialização do País. Esse período é marcado pelo crescimento da população urbana, com diminuição do contingente rural. Com o aumento de pessoas morando nas cidades, problemas como a falta de moradia, a ausência de infraestrutura e a precariedade dos equipamentos e serviços urbanos afligiam grande parte da população. Durante o governo de Raimundo Girão, o urbanista Nestor de Figueiredo chegou a projetar a cidade compreendida em zoneamentos. No entanto, o projeto não passou pelo crivo dos governantes da época.

Vista aérea da cidade no final dos anos 30, quando da demolição da antiga Igreja da Sé

Após a Revolução de 30, o Ceará passou a ser governado por interventores do Governo Federal. Ascenderam duas organizações políticas que dominaram o cenário estadual: a Legião Cearense do Trabalho, com nítida influência fascista, e a Liga Eleitoral Católica, fortemente religiosa, representante da elite tradicional e de grande apelo popular. Eram os tempos da revolução tenentista e da chegada de Getulio Vargas ao poder.

O governador do Ceará, Marcos Peixoto, informado de que os tenentes tinham tomado os governos do Rio Grande do Sul e de Minas Gerais se preparava para o combate. Mandou montar guarda nas principais estradas de Fortaleza. Triplicou o policiamento no Palácio da Luz (a sede do governo). Instalou várias metralhadoras na Praça General Tibúrcio. Mandou fechar o tráfego na Rua do Rosário e também na Rua Sena Madureira.

Rua Floriano Peixoto na esquina com Rua São Paulo, com ângulo de visão na direação da Praça do Ferreira. (Foto de 1935)

O ritmo de introdução das novas tecnologias em todas as atividades de Fortaleza mudou a paisagem da cidade em poucos anos, o que impressionava cada vez mais a população. A edificação do Excelsior Hotel (primeiro arranha-céu da cidade) em 1931, a primeira transmissão radiofônica em 1934, instalação da iluminação pública elétrica entre 1934 e 1935, inauguração da rede de telefonia automática em 1938.

Outros equipamentos também foram construídos: em 1930 a Estrada de concreto Fortaleza-Parangaba, atual Av. João Pessoa, construída pelo IFOCS (hoje DNOCS); o aeroporto para hidroaviões, na Barra do Ceará; e a empresa construtora “Edificadora do Norte”. Depois vieram o Campo de Aviação, no Alto da Balança, em 1931; o Mercado Central em 1932; e o ramal ferroviário Fortaleza-Mucuripe em 1933. Já a Praça dos Voluntários (Centro) data de 1938.

Banco Frota & Gentil, na esquina das ruas Floriano Peixoto e Senador Alencar

As primeiras instituições bancárias, criadas por grandes comerciantes e proprietários de terra, também surgem nesse período. Três dos primeiros cinco bancos estão assim associados ao comércio, e indiretamente à agricultura: o Banco Frota Gentil, pertencente a antigos donos de imóveis urbanos em Fortaleza; o Banco União S/A, de quatro proprietários, sendo um deles dono de terra urbana; e o Banco dos Importadores, também de proprietário de terras.

O núcleo comercial e social da cidade continuava girando em torno da Praça do Ferreira. Em 1932, foi demolido o coreto que ficava no centro da praça. Em 1933 o prefeito Raimundo Girão mandou construir no seu lugar a Coluna da Hora, com uma fonte dos desejos. Ao longo da praça foram colocados bancos de madeira sustentados por ferro fundido. O local que já era o principal ponto de encontro dos fortalezenses passou também a ser palco de festividades como desfiles de carnaval e, posteriormente manifestações de protestos da população. O chamado "coração da cidade" era o polo difusor de todas as formas de expressão popular em Fortaleza.

Multidão concentrada na Praça do Ferreira aguardando o desfile de blocos de carnaval

O sertão sofreu mais uma estiagem em 1932, e o governo estadual não pôde dispor mais da Amazônia como refúgio para os flagelados. Diante disso, foram criados os currais do governo ou, sem eufemismos, campos de concentração para os retirantes.

A fim de prevenir a "afluência tumultuária" de retirantes famintos a Fortaleza, cinco campos de concentração localizavam-se nas proximidades das principais vias de acesso à capital, atraindo os agricultores que perdiam suas colheitas e se viam à mercê da caridade pública ou privada. Dois campos menores situavam-se em locais estratégicos de Fortaleza, conectados às estações de trem que traziam os famintos, impedindo que eles circulassem livremente pelos espaços da cidade. Os campos, portanto, pretendiam impedir a mobilidade física e política dos retirantes através da concessão de rações diárias e de assistência médica.

Theatro José de Alencar em registro de 1931

Em consequência dessa realidade, a década de 1930 proporciona também o surgimento das favelas em Fortaleza. Antes disso, os subúrbios de Alto Alegre, de Barro Vermelho e, sobretudo, do Arraial Moura Brasil eram considerados pela imprensa e pela polícia os mais perigosos da cidade.

"No Mucuripe, a favela surgiu em 1933 (...) iniciando a incorporação de loteamentos periféricos nessas áreas. A favela surgiu como alternativa da classe trabalhadora, espoliada, desprovida de um pedaço de chão, relegada às periferias mais distantes e/ou as áreas de risco. Nessas áreas, os equipamentos de consumo coletivo, bem como os serviços, se mostram mais reduzidos, tornando ainda mais difíceis as condições dessa população. Esse é o modo como a Cidade vem sendo produzida, ou seja, extremamente segregada".

Litoral leste da cidade, onde seria construída a Avenida Beira Mar (foto dos anos 30 com vista a partir do Meireles)

As próprias elites haviam se deslocado para oeste, no Jacarecanga, onde proliferam mansões e palacetes e fazendo daquele espaço o primeiro bairro elegante de Fortaleza. Mas devido a posterior localização industrial, valorização fundiária e imobiliária, essas mesmas elites, a partir dos anos 1930, transferiram-se para o Benfica ou “Gentilândia”, pois a família Gentil, na década de 20 havia começado a construção de casas formando uma espécie de vila, tendo necessariamente que abrir ruas. Depois mudaram-se para a Praia de Iracema e para a Aldeota.

Os espaços litorâneos se valorizaram como lugares de lazer e habitação das classes abastadas. Em Fortaleza, esse interesse das elites pelo litoral marca o início de uma disputa urbana por espaços antes ocupados por uma classe de baixo poder aquisitivo.

Visão da rua Guilherme Rocha com destaque para o recém inaugurado Excelsior Hotel, reinando único como o maior edifício da cidade

Com a saída das classes mais abastadas para as áreas mais distantes do centro, acontecia a valorização de terras e a chegada de novas demandas sociais, que passavam a instalar prédios comerciais, escritórios e finalmente, prédios residenciais. Foi na década de 1930 que a verticalização passou a atender a fins residenciais.

Foi no centro da Cidade que surgiram os primeiros indícios do que seria a verticalização em Fortaleza. A verticalização, em seu primeiro momento, ou seja, a partir de 1930, estava ligada aos serviços como, por exemplo, o hotel Excelsior, o Edifício J.Lopes, o Lord, o Cine Diogo e depois o Cine São Luiz, o San Pedro, o Savannah e o prédio do INPS.

Santa Casa de Misericódia e vista parcial do Passeio Público em 1932

Na observação de Paulo Linhares, "a partir dos anos 30, o funcional e o social passam a se distinguir em Fortaleza, fortemente e de maneira precoce. Sem dúvida, a cidade se organiza em torno de dois polos: ao leste, a cidade da nova elite e, ao oeste, a cidade industrial e trabalhadora. Com o castelo do Plácido, obra pioneira de residência de alto luxo da cidade, construída na Aldeota (de estilo duvidoso, como a maioria das construções da nova burguesia urbana), a alta burguesia passaria a construir em direção ao leste. Bem longe do centro, das fábricas e dos pobres, criando um novo espaço de diferenciação social, tentando marcar o seu prestigio e aprendendo tropegamente uma certa arte de viver".

Amelia

Fortaleza recebeu em 1937, a visita da piloto norte-americana, Amelia Earhart, cuja passagem entre nós proporcionou alguns dos melhores registros fotográficos da cidade nos anos 30.

Ambiciosa e destemida, Amelia foi a primeira mulher a cruzar o oceano Atlântico em voo solo, em 1932, façanha até então conseguida apenas por Charles Lindbergh, em 1927. Nessa aventura, a solitária aviadora quebrou também o recorde de velocidade para voo transatlântico, estabelecendo-o em 14 horas e 56 minutos.

A garota nascida em Kansas e que já havia trabalhado como enfermeira durante a Primeira Guerra Mundial, lançou-se em mais um desafio: queria ser a primeira mulher a completar uma viagem aérea em torno do globo terrestre.

Vista aérea de Fortaleza em 1937. Podemos ver, ao centro, a antiga Igreja da Sé e abaixo um trecho da zona portuária

Poucas semanas depois de sua passagem por Fortaleza, no dia 2 de Julho de 1937, Amelia Earhart descolou para aquela que seria a sua segunda tentativa de dar a volta ao mundo em avião. Partindo de Oakland, a bordo de um Lockheed 10E Electra e acompanhada do navegador Fred Noonan, Amelia fez escalas - para mencionar apenas as principais – em Miami, Caraíbas, Brasil, Senegal, Sudão e Etiópia, Índia, Birmânia, Tailândia, Indonésia, Austrália, Nova Guiné. Daqui, descolaria em direção à ilha de Howland, no Pacífico. Nunca chegou.

Foto do mesmo ano de 1937, na qual percebemos claramente o avanço do mar sobre o a Praia de Iracema

O seu desaparecimento sobre o Pacífico, muito provavelmente devido a más condições atmosféricas e comunicações deficientes, deu origem às teorias e especulações mais imaginativas. Uma delas referia à época que esta viagem de Amelia seria uma acção de espionagem sobre os japoneses a pedido do então presidente Franklin Roosevelt. Outra teoria dizia que o avião se despenhara numa ilha do arquipélago das Marianas, Saipan, então sob ocupação japonesa, e que ambos teriam sido capturados e executados. E uma outra, mais delirante ainda, refere que Amelia teria sobrevivido, regressado aos EUA e assumido uma nova identidade.